Que fazes aí Lisboa

Mário Gonçalves, Arlindo de Carvalho Letra
Arlindo de Carvalho Música

Que fazes aí Lisboa,
D’olhos fincados no rio.
Os olhos não são amarras
Para prender um navio.

O barco que ontem partiu,
Partiu e não volta mais.
Chora lágrimas de pedra
Em cada esquina do cais.

Lisboa, velha Lisboa,
Mãe pobre à beira do rio.
Seja o xaile dos meus ombros
Agasalho do teu frio.